Harold von Keller e a influência de seus antepassados, patrono e mecenas de Matisse e Picasso

Harold von Keller em seu ateliê

 

Esse mês a DOMI teve o prazer de conversar com Harold von Keller, um artista um tanto misterioso, que adora passar os dias, literalmente, recluso em seu ateliê, se dedicando ao trabalho. Muito severo e crítico com sua pintura, sempre exprimiu suas preocupações em todos os campos do pensar, jamais sucumbindo às tentações comerciais.

Harold nasceu em Paris em 1948. e emigrou com a família para o Brasil em 1955. Cursou Artes no Instituto de Artes da UFRGS, recebendo o premio Bolsa Brossard após sua graduação. Pinta desde sua infância, pois já nasceu em um ambiente artístico: seu pai era joalheiro escultor e também esculpia adereços para Etienne Aigner, famosa marca do ramo do luxo. Pelo lado materno, é bisneto de Sergei Ivan Shchukin, famoso colecionador russo e patrono de Matisse e Picasso.

Começou a expor seus trabalhos, bem cedo, ainda nos anos 70 em diversas galerias: Alencastro Guimarães, galeria Delphus, Paulo Capelari, Museu do Trabalho, clube Juvenil, Galeria Obino, entre outras.

Confira abaixo como foi esse bate-papo inspirador

 

Quem é Harold von Keller? Me fale um pouco sobre seu início de carreira e o artista que você é hj

Embora eu tenha manifestado interesse pelas artes desde a infância, a minha dedicação exclusiva e mais intensa iniciou-se com a formação no curso de Belas Artes na década de 70.

Como todo artista, de inicio a pintura era figurativa, passando depois a me interessar pelo abstrato e expressionismo. Também tive interesse pela pintura geométrica, pois sempre procuro me renovar com novas técnicas e desafios.

 

O que exatamente você faz ou no que consiste o seu trabalho?

Atualmente estou pesquisando novas fontes de expressão buscando novos caminhos dentro da arte, não apenas como pintura, mas também com novas técnicas.

 

Por que escolheu a pintura como forma de se expressar? Fale um pouco sobre suas influências e inspirações

Escolhi a pintura como meio de expressão por influencia dos meus antepassados, os Botkin e o Shchukin, respectivamente meus tios bisavós e bisavô, que foram grandes colecionadores e incentivadores das artes na Russia e na Europa em geral. Meu bisavô foi patrono e mecenas de Matisse e Pablo Picasso os quais pintaram grandes obras especialmente para ele, como a Dança, a Musica, e grande parte das obras que fazem parte do Museu Hermitage e outros museus russos.

Na juventude tive o incentivo do pintor húngaro, Farago, residente em Porto Alegre, mas também convivi com grandes artistas contemporâneos como Sicart, Petrucci, Ernesto Frederico Scheffel, Ado Malagoli, Ibere Camargo, dentre outros.

 

Como foi seu caminho para chegar até aqui? Além das suas conquistas e satisfações, quais foram seus grandes desafios?

Meu grande desafio é manter-me coerente com a minha visão a respeito da arte, em especial da pintura, dentro do modo como a entendo, visando não apenas a parte comercial, mas principalmente a manifestação do que entendo como arte propriamente dita.

 

Hoje em dia, com sua experiência como artista e uma vida toda dedicada à carreira, quais você diria que são os grandes desafios de um artista?

Entendo que o grande desafio do artista é poder manter-se fiel ao que pretende expressar com sua arte, sem se deixar corromper pelas questões financeiras, porém isso traz como consequência, não raras vezes, grandes frustrações. Mas, ainda assim, meu conselho a quem está iniciando na carreira das artes é que busquem sempre a melhor forma de expressar seus sentimentos em relação a ela, não sucumbindo aos modismos e a tentação de ganho fácil.

 

Se vc conseguisse resumir todo o seu aprendizado ao longo da sua carreira, em uma, duas ou três sugestões que vc gostaria de ter recebido quando era mais jovem, quais seriam essas sugestões?

Eu diria prestigiar bons artistas ou frequentar bons museus para formar um gosto estético mais refinado, mas sempre procurando assimilar sem ser um imitator, desenvolvendo seu próprio caráter, seu próprio estilo. Penso que também é essencial não se deixar facinar pelo ganho fácil em detrimento da honestidade estética. E, finalmente, trabalhar muito e muito!!!!!

 

Onde mais vc quer chegar? Me fale mais sobre seus projetos, seus planos..

Meus projetos visam sempre a renovação e a melhor forma de expressão, dentro das limitações próprias de cada ser humano, porém buscando sempre aprimorar a técnica e sobretudo a satisfação pessoal e também dos que contemplem meus trabalhos, de pintura, escultura e desenho.